25.2.04

Peoplephobia


"Veja só o que é um coito febril, filhinha..."



Pelamorde. Picasso digrátis é o fim, mas eu, na qualidade de poverella tive que aceitar a realidade e ir.

Tá. Mas pobre é foda. E alguém me explica esse furor culturette de massa paulistana? Tipo... tá na moda desde o maldito Rodin. Que lixo ter que enfrentar fila quilométrica às 11 da manhã, em plena quarta-feira de cinzas CINZA. Nada contra a cor do céu (eu prefiro), mas essa chuva deve impedir o pouvo de comemorar apuração de votos das escolas de samba ou fez todo mundo voltar mais cedo de São Vicente.

Ridículo. Você vai até o Ibirapuera pra ver Picasso e acaba reparando mais no pouvo do que na arte. Eu preciso de silêncio, entendeu? Ainda mais quando estou mal humorada e horrivelmente anti-social. Quero poder sentar minha mini-bunda e ler com calma as inscrições na parede e não ter que desviar de gente que acha que é filho-de-vidraceiro. Nego acha que museu é zoológico pra carregar a cria nos ombros? Alô? Posso ver o quadro também?. E os malditos míopes que têm que encostar a fuça pra ler o nome do quadro? E os fedelhos berrentos?

Ainda bem que não podia entrar com biscoito de polvilho, hein?

O melhor, no entanto, fica para o final: mãe-metida-a-sábia-que-leu-no-jornal-que-é-bom-levar-o-pimpolho-para-ver-Picasso resolve ler em voz alta as tais explicações na parede pra pirralha que levava à tiracolo. Hello? A explicação falava da obssessão do Picasso com sexo, e a retardada falava tranqüilamente para a filha de coitos febris.

(Eu odeio gente, assim, no geral. Quanto menos tiver que lidar com eles, melhor.)

De tudo, gostei mais dos Minotauros. Eu já tinha visto umas gravuras certa vez na Pinacoteca. Acho aterrador e fascinante. Também gostei de pensar em todas as mulheres do Picasso. Foram 6? Gostei do perfil da Jacqueline, da Dora chorando e de uma outra cabeça, acho que da Marie-Thèrese, dormindo.