18.3.04

wake up and smell the coffee

Já disse. Eu não fui feita para acordar cedo. Nasci para dormir cedo e esquecer de passarinhos piando. Não consigo ver semelhança entre *eu hoje* e *eu 1995*, que levantava espartanamente às cinquiquinze para às sete estar na Rua Sergipe, aprendendo sobre invaginação, botulismo ou geometria. Depois de pegar um Anhangabaú lotado de alegres e falantes habitantes de Osasco e pensando que ser jornalista era a estrada das pedras amarelas da vida, hein? Que trouxa.

Hoje acordo depois do meio-dia, por favor. De preferência às duas da tarde, mas isso só acontece quando não há muito movimento na casa e as cretinas de telemarketing e cobrança esquecem da minha existência.

Aliás, troquei o apito do meu celular. Pretendo fazer isso periódica e regularmente. Assim não terei tempo de memorizar a música irritante e logo vou pensar que não é comigo.

Foi a maneira que eu encontrei pra driblar o ódio crescente da música padrão da Nokia.

Mas algo de estranho aconteceu nas duas últimas manhãs. Na primeira recebi uma caixa criminosa de bombons. Ok, jabá. Mas jabá bom é sempre bom, certo? Daí hoje eu ganhei o Fans Only. Não-jabá. Creio ser o prêmio da UOL por uma frase que eu mandei. How nerdy is that? haha. E eu nunca ganho prêmios.

(o agravante da história é... eu sou uma pessoa *retrô*, de hábitos *vintage* - ou seja: pobre e atrasada. Tenho um vídeo cassete Panasonic G9 de 1985... Logo... como poderei?)

Amanhã espero ganhar vinhos. Minha adega xexelenta já está seca.