15.4.04

cellar door

Dá pra estabelecer um bom paralelo entre Renato Russo e Tolkien. É. Eu acho. Eu não *detesto* essas pessoas verdadeiramente como *detesto* suas obras mais famosas. Não é culpa deles necessariamente. É culpa dos fãs. Por exemplo, não consigo ouvir "Eduardo e Mônica" tranqüilamente sem que me passe na cabeça a imagem de um kumba maldito, vestindo uma camiseta nojenta com letras de música da banda e exortando o poeta.

Também não consigo ler o Senhor dos Anéis. Primeiro porque é muito chato. Depois, porque imediatamente penso no hype insuportável, na trilogia desgastante, em todo mundo dizendo "como é bom", em todos aqueles Oscars... Ligue o desconfiômetro, honey. Toda uninimidade é burra.

(menos a minha, é claro)

Enfim. Tudo isso... porque o maldito Tolkien sempre me passa rasteiras. Filho da puta desgraçado. Não consigo odiá-lo. Ele sempre tem algo que me deixa sem palavras (trocadalho sem intenção...).

Por exemplo, discutindo com nerds do meu naipe sobre o magnífico Donnie Darko, surgiu uma pergunta sobre o tal "cellar door" que a Drew Barrymore, no filme, diz que, segundo um "lingüista" é a mais bela combinação de palavras na língua inglesa. Adivinha qual lingüista... Hu. Meu cu. Aqui está uma explicação que vou saborear aos poucos. Fantástico.

Ainda assim, continuo a odiar os Senhor dos Anéis. Não se engane.