10.6.04

Quando eu morrer vou pro vídeo de Being Boring. Quero um pós-vida Bruce Weber com muitas festinhas.

Enquanto isso, meus amigos podem dar uma grande festa. Tenho horror a velório e cruzes. Gosto de waking. E quero virar lenha. A única parte mais *tocante* fica para quando tacarem fogo na minha carcaça. Naquele momentinho derradeiro de descida do caixão, quero que toquem La Chanson de Prévert, do Gainsbourg, porque eu gosto muito e acho muito funerária e adequada.

Depois, festa. Com a caixinha de cinzas presente e uma grande foto minha. Quero todo mundo bebendo muita champa fina e comendo canapé bom. Se ecstasy ainda estiver na moda, por favor, tomem. Pó não. Não quero ninguém bicudo e mala na minha festa, por favor. Eu odeio essa merda e vocês sabem. Vou deixar um trafiquinho contratado pra garantir a felicidade de todo mundo. Façam banheirão e almôndegas em homenagem aos velhos tempos. Não deixem ninguém sóbrio. Falem bem de mim, mas também falem mal, porque não quero virar santa depois de morta. Lembrem como eu fui escrota e como eu fui legal.

Por favor, vistam-se bem e ponham uma roupa muito chique em mim, mesmo que tirem (como diz a lenda), antes da cremação.

Façam a festa num lugar com piscina. Botem bóias nos braços dos mais retardados pra que ninguém apareça flutuando no dia seguinte e roube a minha cena. Toquem boa música. De preferência as minhas prediletas. Foda-se quem não gosta. Também não deixem ninguém que eu não goste entrar na festa pra beber de graça. Quero door policy.

Não quero ser esparramada num jardim depois. Dizem que as cinzas inutilizam totalmente a terra. Provavelmente quero ser jogada num mar que eu ainda vou visitar e gostar muito.