30.7.04

A PRECIOUS, mouldering pleasure ’t is
To meet an antique book,
In just the dress his century wore;
A privilege, I think,

His venerable hand to take, 5
And warming in our own,
A passage back, or two, to make
To times when he was young.

His quaint opinions to inspect,
His knowledge to unfold 10
On what concerns our mutual mind,
The literature of old;

What interested scholars most,
What competitions ran
When Plato was a certainty, 15
And Sophocles a man;

When Sappho was a living girl,
And Beatrice wore
The gown that Dante deified.
Facts, centuries before, 20

He traverses familiar,
As one should come to town
And tell you all your dreams were true:
He lived where dreams were born.

His presence is enchantment, 25
You beg him not to go;
Old volumes shake their vellum heads
And tantalize, just so


(emily dickinson)

Que caraleo! Me enjaularam no Iogurtí? Tifudê o maldito que me report-as-bogus. Ou é festa junina e não me avisaram?

Tira a foto de prisioneira-do-amor e volta o meu traseiro!!

Eu não ouvi i inteirinho, de cabo a rabo, porque estou morrendo de me-do. medo de ser decepcionada pelo até agora magnífico, perfeito e supremo Stephin.  Eu tenho bem essas coisas ridículas de apego a certos discos. Tipo a seqüência The Bends-Ok Computer fez com que eu só ouvisse um pouquinho (e odiar) o Kid A. Ouvi You Are The Quarry com o cu na mão. Toda vez que o B&S lança alguma coisinha, suo frio, porque a minha vida acaba se eles cagarem bonito. Sacou o drama nerdo?

Mas então...

Aqui tem uma resenha demente sobre i, com alusões a Danny DeVito.

hahah

26.7.04

Ai, pára tudo. Eu numa aula de cozinha árabe? Morro de felicidade. Meu primeiríssimo homus bi tahine longe da vigilância da vovó e o veredito do chef foi "maravilhoso".

Cuen que o posto de rainha da esfiha aberta da família Calixto agora será ocupado por mim!

24.7.04

The trouble with being a woman, Skeezix,
is being a little girl in the first place.
Not all the books of the world will change that.

Hurry up please it's time

22.7.04

Então você realmente acredita no deus do amor pregado no Novo Testamento? Pois aquele Jeová barbudo, rancoroso, vingativo e celibatário do Velho Testamento existe e certamente é argentino, porque odeia os brasileiros. Veja as provas cabais (e o Ian McCulloch foi só um presságio):
 
DO get me wrong
Chrissy Hynde deve estar esclerosando. Dizem que depois que entrou com a velha sociedade com o cara do Simple Minds (ela com a bunda , aka beHYNDE, e ele com o pé), a santa nunca mais foi a mesma. Surtou. Dizem também que é pq o Sr. Simple Minds tem a maior rola do roquenrou (algo bem acima dos 23cm, mas disso infelizmente eu não tenho provas). Só sei que ela fez uma única coisa inteligente, alugou um apartamento na Avenida São Luís, um lugar que eu gostaria muito de morar...

Mas, como nada é 100% bom, Chrissy vai fazer nova turnê pelo Brasil (de nooovo???), dessa vez acompanhada de.... MORENO VELOSO, que ela acha genial. E diz-que ela tb adorou a Adriana Calcanhoto.

Sinto que os velhos tempos estão definitivamente over. Dona Hynde deve em breve empunhar um violãozinho e cantar música de sapatão com dor de cotovelo.

MAS O MELHOR DE TUDO:
(não segure muito seus instintos porque isso não é natural!!)

Vcs andavam saudosos das jóias porto-riquenhas do Menudo? Diz a lenda que o Roy virou traficante de pó na Praia Grande e quem se deu bem mesmo foi só o Ricky Martin.... mas acuendem:

O artista Robi Draco Rosa desembarca no Brasil sábado, dia 24 de julho,para divulgar o seu novo trabalho  "Mad Love", seu quinto álbum solo. O disco traz 14 músicas que refletem o caos, a escuridão e o amor que surgiu no momento em que o jazz e rock se fundiram para revolucionar a música*. É também uma homenagem ao grande amor de sua vida, a atriz e diretora Angela Alvarado. Robi, que toca guitarra, piano, baixo e bateria, foi quem fez os arranjos de cordas para este álbum. Entre os sucessos estão "My Eyes Adore You", "Lie Without a Lover" e "Dancing in the Rain", entre outros. Robi acaba de ganhar três indicações para o Grammy Latino (Melhor Clipe -gravado pela sua mulher Angela Alvarado - álbum do ano Mad Love e canção do ano, com a música "Más Y Más" (versão em espanhol de "Crash Push"), que está como faixa bonus neste álbum.
 
*hein?

21.7.04

Why bother, não é mesmo? O cara já entrou pra categoria "arroz de festa brasileiro". Sai fora.

Ian McCulloch volta sem Echo
Adriana Ferreira

O inglês Ian McCulloch volta a São Paulo para um show acústico, quinta (dia 22), no DirecTV, acompanhado por dois companheiros do Echo & The Bunnymen.O tecladista Paul Fleming e o guitarrista Goudie Gordon participam da primeira parte, que tem garantida a interpretação de "Pale Blue Eyes" (Lou Reed). Em seguida, entram os brasileiros Da Lua (percussão) e Silvio Mazzuca (baixo), além do cantor Leo Jaime (do hit "Gatinha Manhosa"), para mostrar clássicos, como "Lips like Sugar", do Echo, e "Walk on the Wide Side" (outra de Lou Reed). Com certeza, McCulloch já fez passagens mais gloriosas.
IAN MCCULLOCH
DirecTV Music Hall (av. dos Jamaris, 213, Planalto Paulista, região sul, tel. 6846-6040). 1.600 lugares. 90 min. 16 anos (14 e 15 anos, acompanhados p/ pais ou responsáveis). Qui. (dia 22): 21h30. Ingr.: R$ 50 a R$ 100. CC: D, M e V. Estac. R$ 15 (c/ manob. R$ 20). Ingressos pelo telefone Aceita reserva Acesso a deficientes Ar-Condicionado

16.7.04

E lá se vai mais um:
 
NEW YORK DOLL DIES 
 
(Tipo... câncer é a doença mais comum entre o povo dessa safra ou é tudo apenas uma estraaanha coincidência?)

14.7.04

Não é bonito? Estou lendo Kitchen Confidential, do Anthony Bourdain, e logo no começo ele diz que seu interesse por gastronomia e comida surgiu depois de provar uma exótica sopa "fria" (vichyssoise) e comer ostra em alto mar aos 10 anos.

Daí eu pensei... se num futuro distante eu me tornar uma celebridade com mais de 15 minutos de validade, o que vou dizer ao público? Só fui comer vichyssoise e ostra já velhota. Era um entojinho na infância e só comia bife se fosse num determinado restaurante.

Mas revirando meu loft cerebral eu lembrei! Hum. Foi assim ó... eu era uma menina que adorava contos de fada. Eu era uma menina que lia por conta própria na infância por não ter tido a felicidade de ser filha de storytellers de talento. Então eu lembro claramente das partes que eu mais gostava nas historinhas: o desenho das fadas-madrinhas da Bela Adormecida preparando bolos para a nossa amiga afligida pela roca; Wendy cozinhando para o Peter Pan e os meninos perdidos... e, claro, os quitutes da Tia Nastácia.

Daí eu pedia uns bolinhos de chuva para acompanhar a leitura. Coisa que sou incapaz de fazer (os bolinhos) ainda hoje.

*meigo*, não?


Barbie, meu bem, senta aqui...


DYKEdolls.

12.7.04

O hit agora é Girls Don't Cry. Isso mesmo. Garotinhas não têm mais o direito de verter lágrimas, de tristeza ou de felicidade.

Não é nem a "questã" da histeria. Essa eu abraço com gosto, porque me considero mulher de carne e osso, e logo respondo nem com a cabeça, tampouco com o músculo retardado no meu peito. Eu sempre fui muito uterina.

Mas graças à moderna psiquiatria e seus paraísos legais em pílulas, amansadores de leões e os novos-velhos rótulos da psicanálise e tranqueiras do gênero as coisas são explicadas da seguinte maneira: se estou feliz/apaixonada/empolgada/atiçada com uma nova idéia, então estou MANÍACA. Se estou num dia de merda/pisei em mil bostas na rua/tenho enxaqueca e um útero latejante/peguei fila em banco/dormi mal/vesti capa de invisível e não sei como tirar/comi mal/trabalhei mais do que devia... então estou DEPRESSIVA.

Diagnóstico "óbvio", você é bipolar.

Tratamento "óbvio", forre o cu com lítio.

Minha resposta: vão todos à merda e me deixem ter um dia de merda em paz.

Juro que se meu humor fosse tão mutável como os experts dizem eu seria mais feliz. Seria previsível, porra! Oras, se hoje, 12 de julho, pisei em mil bostas na rua, então amanhã receberei nova proposta de emprego, salário-luxo e um sugardaddy para me mimar.

Back to basics, povo. Doutor Freud, que gostava era de mamar num charuto, começou toda esta bobagem.

Histérica? Lunar? Imprevisível? SIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIM, com muito orgulho. Foda-se o lítio e passe o baseado. Hipócritas.

9.7.04

Bom mesmo chegar em casa destruída e resignada, mas ao ligar a TV, por dois dias seguidos, topar justamente com dois filmes que gostamos muito: The Anniversary Party ontem (e tive a iluminação sobre o impacto Skye Davidson, haha) e Abre Los Ojos (nenhuma iluminação, exceto a certeza que Eduardo Noriega é um dos homens mais bonitos do mundo).

Ontem passei por um momento bizarro. Fui pra cama às cinco, zonza de tanto trabalho. E ao deitar pra dormir, como sempre, liguei a TV, porque eu gosto. Mas não conseguia pregar o olho (como agora). Mente muito veloz, sabe? Daí tava passando um desenhinho quase profético. Uma fada e uma fado (?) invertidos, mau-humorados e com olhos injetados que não dormiam há dias porque o moleque havia desejado que ninguém no mundo dormisse.

Eu pensei seriamente naquilo. E só fui dormir uma hora depois.

8.7.04

Jude Law + Paul Bettany numa mesma tela = morri.

(mas avisa a biu que o bettany e a connelly são casados na vida real)

7.7.04

Então é o seguinte: se durante o mês de julho você jantar no Supra e pelo aquário da cozinha espiar uma cega perdida num tiroteio... that'll be me.

5.7.04



strip-tease - nico

2.7.04

Meu fairy tale predileto. Com direito a happy ending e todos viveram felizes para sempre.

Ah, droga. Queria tanto tanto ter estado lá.

Ricardo, meu queridinho, EU TE AMO.