12.11.04

Quem nasce em março tem que gostar de chuva. E eu amo. Só não amo em situações extremas de murphysmo, quando o mundo parece cair sobre a sua cabeça, seu guarda-chuva ameaça ter uma crise mary poppins e uma kombi vagabunda passa na poça do seu lado DE PROPÓSITO enquanto nenhum táxi passa.

Eu acho que se fosse homem, eu seria um homem MUITO FOLGADO (além de ser bicha, bicha, bicha).

Mas como sou mulher, não posso abusar da sorte, assim eu me refugio em ataques histéricos, bem típicos do meu gênero e anatomia.

Então, cheia de raiva, não persegui o motorista até o farol e taquei uma pedra no vidro ou chutei a porta como a minha imaginação ilustrava tão bem.

Eu só esmigalhei um guarda-chuva poppinesco no meio da rua, na frente de todo mundo, logo na primeira tentativa de alçar vôo da parte dele pós-banho de poça. Eu realmente não olhei pro lado pra saber as reações, mas foi muito bom mesmo. Primeiro eu soquei ele no chão com toda força. Repeti o processo mais umas 3 vezes. Quando ele estava já semi-consciente no chão, dei o golpe final: dois saltos com os dois pés, pra esmagar.

Larguei o cadáver na garagem de casa.

Minha mãe ficou intrigada em como o vento pode ter destruído o guarda-chuva de tal maneira. Nos calamos, claro (eu+demônios). Ela disse que não há a mínima chance de revivê-lo. Acho que vou usar capas agora.

***

Então, tchau tio Arafat. Tomara mesmo que não encontre aquele punhado de virgens aí do outro lado. Se uma cabaça já é demais para a paciência de qualquer santo homem, imagina o coletivo delas.

E na minha opinião, tio Yassie devia ser enterrado mesmo no Maine, mais precisamente no Pet Sematary. Sem ofensas aqui. Só falo pelo aspecto prático. Pena que não há cemitérios indígenas em Ramallah.

E na minha "opiniã" de quem não lê jornal há muito tempo (porque ninguém merece), francamente acho que chegou o momento de nossos amigos palestinos se posicionarem de quatro e deixar o KY na mão. Vão enrabar bonito. Eu acho. Pobres.

***

Perguntas cretinas, mas hoje (11/11) ouvi duas vezes a mesma coisa. Como é que as pessoas podem achar que eu esqueceria o pior dia da minha vida? Esquecer eu não esqueço, fazer o máximo para que ele passe rápido eu faço com prazer. E pelo menos hoje, nove anos depois, choveu como deveria ter chovido então. E eu dormi muito. Pra não ter que pensar.