29.6.05

Pesadelo: Mario não existia mais. Eu não tinha mais o Mario. E o mundo era cheinho de Jackie Chans. Jackie Chans aleijados, que só podiam usar suas respectivas línguas. Que na verdade eram vibradores.

Medo. Muito medo.

Eu saí correndo e chorando. Apavorada com a nova possibilidade de psychos para uma jovem solteira.

Juro. Até chorei quando eu acordei.

Fui lá ver o Warhol no domingo. Lindo, lindo. Sheilinha tinha no bolso um MP3 player com só 3 músicas do Velvet, mas só elas já me deixaram feliz. Achei incrível a sensação de poder encarar os outros à vontade. Mas o nosso predileto (meu e da armênia-loca) foi o Blow Job. Ficamos hooooras ali. Quase caindo de joelhos.

Vou voltar num dia mais tranqüilo, dia de semana, e vou rezar pra não ter nenhum monitor falastrão quebrando o meu clima.

28.6.05

Fragmentos de um diálogo-vomitinho:

gabi: "não me sinto mais obrigada a aturar gente, sabe?"

vi*: "estamos super gêmeas"

gabi: "haha ativar! Você quer forma de que? Animal ou gelo? Eu quero ser uma escultura de gelo feita por algum chef francês exilado em um hotel de quinta no Brasil e ficar bem ao lado de uma maionese contaminada."

vi*: "eu quero ser uma mutação urso-preguiça-mudo-gigante e dormir por 8 meses na minha caverna forrada de cetim preto".

...

gabi: "eu acho que o caminho é o autismo induzido".

25.6.05

Daí que eu acabei o Murakami ontem e, mesmo antes de oficialmente terminá-lo, já comecei a sentir um vazio horrível. Você pode argumentar que é falta do que fazer, mas não é. Eu tenho bilhares de coisas a fazer, que prefiro protelar.

Quando eu gosto muito de um livro, fico sozinha quando ele acaba. Tá. Eu tenho uns 25 mil livros pra ler, mas eu não ando muito empolgada com eles. Dois livros do Alasdair Gray, que eu bem que tentei, inclusive Lanark. Achei meio impenetrável e me deu preguiça. E é o "livro da vida" de tanta gente...

Então no meu desespero, usei o cartão de crédito que eu havia prometido não tocar. Comprei dois Jonathan Coe: Rotters' Club (que eu namorava há um tempo) e 9th and 13th (porque estava muito baratinho). Eles chegaram hoje de manhã, para meu deleite. Comprei também The Rule of Four, uma sugestão da Vi. Baratinho, na Fnac. Difícil de resistir. Em inglês ainda, graças a deus. Mas esse só chega depois. Na segunda ou terça.

Dá até pra brincar de resolver charadinhas.

"De modo que é assim que vivemos as nossas vidas. Não importa quão profunda e fatal seja a perda, o quão importante fosse o que nos roubaram - que foi arrebatado de nossas mãos -, mesmo que mudemos completamente, com somente a camada externa da pele igual à de antes, continuamos a representar as nossas vidas dessa maneira, em silêncio. Aproximamo-nos cada vez mais do fim da dimensão do tempo que nos foi estipulado, dando-lhe adeus enquanto vai minguando. Repetindo, quase sempre habilmente, as proezas sem fim do dia-a-dia. Deixando para trás uma sensação de vazio imensurável."

K., em Minha Querida Sputnik, Haruki Murakami.

saturnino

{verbete}
Datação
1643 cf. FabPlan

Acepções
■ adjetivo de dois gêneros
1 m.q. saturnal
2 (1899)
relativo ao chumbo e a seus compostos
3 (1899)
provocado pelo chumbo (diz-se de doença)
4 sombrio, triste como a cor do chumbo
■ adjetivo e substantivo masculino
5 (1881)
relativo a Satúrnia, antiga cidade do Lácio, ou seu natural ou habitante
6 Rubrica: astrologia.
que ou quem sofre influência do planeta Saturno


Etimologia
lat. saturnínus,a,um 'relativo a Saturno', como gentílico é o masc. pl. substv. saturníni,órum 'os habitantes de Satúrnia, cidade da Etrúria'; a datação é para o subst.; ver saturn(i/o)-

Sinônimos
ver antonímia de alegre

Antônimos
ver sinonímia de alegre

24.6.05

PEIXES - 20/02 a 20/03

Você pensa que todo mundo é cabeça de bagre e só você é o esperto. Se acha o sujeito mais inteligente do zodíaco. Você tem a maldita mania de achar que os outros signos do zodíaco precisam de sua ajuda. Na verdade, você se acha superior e considera os outros signos do zodíaco idiotas. Adora reprimir tudo e todos, impaciente, mal-educado e fica dando conselhos fúteis aos outros. O que você faz mesmo é f..... as pessoas que seguem seus conselhos idiotas. Você não passa de um desorganizado, não tem praticidade alguma e não sabe nem em que planeta vive Quando alguém te questiona, você recorre ao misticismo, uma vez que sua inteligência é limitada. Piscinianos são ótimos macumbeiros. Na verdade, você que é o cabeça de bagre.

Profissões típicas do pisciniano: Técnico de Futebol, Vendedor de
enciclopédia, Pai-de-Santo ou cartomante.

22.6.05

Que delícia. Eu adoro tentar ser arrumada: personal library kit.

21.6.05

www.uglydolls.com

Algumas observações sobre a França, antes que eu me esqueça de tudo:

1) O nome para a terrível angústia, ânsia de vômito e ataques de pânico, seguidos de semanas de letargia e congelamento, chama-se "depressão pós-pouso" e já está mais do que provado que decolar de Guarulhos me deixa felicíssima, enquanto pousar no mesmo aeroporto me deixa desolada.

2) Eu não esperava um calor tão senegalês como o que eu experimentei em Bordeaux. 36º graus às 19h30. Voltei ao estilo carvão.

3) Deitei e rolei em foie gras e magrets. Bebi vinhos que jamais poderia pagar e que não paguei, claro.

4) Depois de comer muita coisa boa, você sente saudade da boa e velha porcaria, por isso eu e Mario comemos fish & chips e hambúrgueres com lágrimas nos olhos, às 23h, quando todos os restaurantes de Bordeaux estavam fechados, restando apenas um providencial pub inglês.

5) Bordeaux é meio feiosa. Saint Emilion e Cognac são lindas de morrer. Eu queria ter parado em Pau, mas esta charmosa cidade não estava em nosso roteiro. Too bad.

6) É meio frustrante quando você quer porque quer gastar seu francês xexelento, quando um local insiste em falar inglês com você. E totalmente inesperado também. Mas percebi que os franceses são ilógicos.

7) Havaianas a 18 euros?

8) Na França: "prefiro melão". Nunca mais vou esquecer de um certo "capuccino" de melão com creme batido e marsala que eu comi. Sublime, dentre tantas outras coisas sublimes.

9) Viajar em grupo. Viajei por acidente, a trabalho. Simplesmente não entendo quem o faz por lazer. É horripilante ter que viajar com gente que você não conhece e descobre tarde demais que não tolera, além de ter que aceitar democracias. Também não entendo quem gasta 300 euros em uma bebida, mas se recusa a dar gorjetas e gratificações de 10 euros. Eu hein.

10) Eu e Mario nos perdemos nos labirintos da Mollat, mas eu só trouxe um Asterix comigo. Um grande feito para uma compulsiva. Tudo bem. Se eu fosse fluente em francês provavelmente teria me prostituído com metade do staff pra levar uma pilha de livros comigo.

11) Dunas de Pyla. Duna o cacete. O negócio é um paredão assustador de areia. Cheguei quase no topo, com os pulmões todos doídos.

12) Ai que canseira de que o aroma de alcaçuz no vinho dá.

13) O poder do "degote". Eu nunca gostei de usar muito decote, sempre me senti meio constragida e aberta demais. Daí um belo dia você resolve superar seu complexo de tom boy e seu nome vira "tetas". Sua cara some e todo mundo se dirige diretamente para seu tórax. Chega a ser constrangedor. Tem gente que nem disfarça. Outros não aguentam e comentam (calaboooooca!). Mas o melhor de tudo é descobrir, mesmo tardiamente, que com tetas quase a mostra você consegue várias coisas sem muito esforço.

14) Last but not least, que alívio me desgarrar do grupo e voltar ao lado da Annix. Sério mesmo. Acho que minha DPP (depressão pós-pouso) teria sido gravíssima se ela não estivesse a dois bancos de distância, não tivesse conversado comigo boa parte do tempo e me avisado que tinha show do Morrissey na programação (who put the m in manchester).

20.6.05

Sonhei que cresciam amêndoas no cabelo do Clive Owen. Mas só quando ele dormia. Por isso eu precisava deixá-lo descansar.

18.6.05

Encontrei jesus. Na yoga. Haha. Faz uma semana. Estou virando monotemática. Kundalini Yoga, feito meus amigos tocados pela luz do kungui.

Então na primeira aula aprendi a liberar a raiva interior. O que eu achei muito irônico (raiva? moi?). Mas devo ter liberado tão bem que saí de lá me sentindo viva de novo. E no dia seguinte quase morta. Parecia que tinha sido espancada por um grupo de skinheads, que se dedicaram em especial a chutar a minha barriga.

17.6.05

Oba. Vou chafurdar no universo murakami novamente a partir de hoje. Sou tão nerda que meu coração quase parou de felicidade enquanto eu folheava o livro. Fazia tempo que eu não sentia essa emoção com palavras impressas. Quero acabar de trabalhar logo, me enfiar debaixo do meu edredon, com uma bolsa de água quente na barriga, chá com leite e minha querida sputnik. Dizem que eu não vou me arrepender. Apesar de ter comprado em português. Ainda não entendi se foi traduzido do japonês. Eu tenho medo de traduções de traduções.

Droga, Annix! Hahah

Your Sexy Brazilian Name Is

Fernanda Assunção



Fernanda Assunção é nome de puta que quer ser levada a sério, não é? É só olhar anúncio de casas de massagem. Ao lado de alguma Gabriela Fire da vida, sempre tem alguma baranga querendo pagar de ovelha negra quatrocentona. Assumpção ficaria melhor ainda.

assinado: Gabriela Sampaio, putana eventual, atendimento privê, raramente levada à sério.

Olha só que belezinha: snobsite.com (chupado do polaroid).

E o último é o maior mentirão da paróquia.

E teve uma pergunta do tipo: se você estivesse em uma ilha deserta, que animal escolheria?

Humano
Vaca
Pássaro
Porco

Eu escolhi a vaca, em uma atitude debilóide-racional. Oras. Porcos são porcos e eu não teria coragem de matá-los. Pássaros são inúteis. Humanos mais ainda. Uma vaca me daria leite, manteiga e bosta. Muita bosta. Com índices pluviométricos favoráveis eu poderia até mesmo fazer o que jurei nunca mais repetir. Mas sozinha, com uma vaca, numa ilha deserta, ia querer que pelo menos a pobre risse para mim.

Pára, Annix!












The Keys to Your Heart



You are attracted to those who are unbridled, untrammeled, and free.

In love, you feel the most alive when everything is uncertain, one moment heaven... the next moment hell.

You'd like to your lover to think you are stylish and alluring.

You would be forced to break up with someone who was insecure and in constant need of reassurance.

Your ideal relationship is lasting. You want a relationship that looks to the future... one you can grow with.

Your risk of cheating is low. Even if you're tempted, you'd try hard not to do it.

You think of marriage as something precious. You'll treasure marriage and treat it as sacred.

In this moment, you think of love as something you can get or discard anytime. You're feeling self centered.


ANDY WARHOL: MOTION PICTURES

Mostra enfoca filmes de artista

São medidas em minutos -como os instantes de fama da frase sobre a obsessão pela celebridade- as obras do norte-americano Andy Warhol (1928-87) que chegam, inéditas, à cidade. "Andy Warhol: Motion Pictures" reúne a partir de hoje (dia 18), no Museu de Arte Moderna de São Paulo, uma produção de filmes sem som em 16 mm e em preto-e-branco, transposta agora para o formato digital. Os trabalhos foram realizados na década de 60, na época do estúdio Factory.

"Warhol era fascinado pela idéia de gravação, pelos equipamentos e também pela grande tela e por Hollywood. Esses são trabalhos muito experimentais", afirma Klaus Biesenbach, que divide a curadoria da mostra com Mary Lea Bandy. O material, que será disposto em 24 telões com alturas de 1,5 m a 3 m, pertence ao acervo do MoMa, de Nova York.

Trinta e sete peças da série "Screen Tests", que engloba cerca de cem, sintetizam a propalada história de que todos, um dia, teriam os seus 15 minutos de fama. Andy Warhol fazia uma espécie de teste de casting para o estrelato com modelos, artistas, galeristas e amigos. As pessoas, com penteado elaborado e postadas diante de uma câmera fixa, eram filmadas por três minutos, pelo menos. No Brasil, são exibidos retratos de Salvador Dalí, Susan Sontag, Dennis Hopper e Chip Monk, entre outros.

No outro segmento, estão seis filmes mudos, entre os quais figuram trechos de "Empire" (que exibe o Empire State Building; um trecho de 48 minutos é projetado -o original de 1964 tem oito horas de duração). "Nem todos os trabalhos puderam ser passados para o digital com a duração integral. A conservação e a digitalização do material em 16 mm são um grande desafio e muito caras", diz Biesenbach.[Pedro Ivo Dubra]

www.mam.org.br. MAM Ibirapuera - Grande Sala (av. Pedro Álvares Cabral, s/ nº, portão 3, parque Ibirapuera, região sul, tel. 5549-9688). Ter. a dom.: 14h às 18h. Até 14/8. Ingr.: R$ 5,50 (grátis, no dom.). Estac. grátis. Acesso a deficientes Tem local para comer Faz visita monitorada

16.6.05

Esqueça a Loira do Banheiro. Anote aí o passo-a-passo para acessar uma lenda urbana mais contemporânea.

1) Vá a algum cock-tail onde você não tenha vontade de falar com ninguém, exceto seu amigo que faz a função de colete salva-vidas.

2) Vire cinco cosmopolitans (mas quatro e meio já dá efeito, se vc já estiver com ânsia de vômito).

3) Vá ao banheirão lotado de velhos bêbados.

4) Espere.

5) Assim que a porta do banheiro abrir, uma celebrity leite C - que mofava em algum canto da sua memória - surgirá toda falante e por vezes ininteligível. Você olhará para a cara dela e sentirá alguma familiaridade. Você também vai rezar para que ela não pergunte a você como ela se chama, porque isso é crueldade. Mas ela vai falar bastante e, como toda a celebridade, gosta de se tratar em terceira pessoa. Alívio. Agora você já sabe o nome, embora ainda não saiba encaixar em nenhum programa de TV que tenha visto nos últimos 25 anos. Ela vai falar em crimes insolúveis, vai falar de plástica e botox e também jura que volta em breve. Ah, sim, conte com perdigotos na sua cara, não sei por que diabos esse povo gosta de falar "testa a testa".

15.6.05

Porque povo é triste, em qualquer canto do mundo:

Chavs, Neds, Townies, Kevs, Charvers, Steeks, Spides, Bazzas, Yarcos, Ratboys, Kappa Slappers, Skangers, Scutters, Janners, Stigs, Scallies, Hood Rats, whatever you know them as, this site is about them, Britains peasant underclass that are taking over our towns and cities!

Chavscum

Inclusive, vá até o Name your Chav Baby. Hahah

Imagine a versão brasileira pra isso. Hahaha.

13.6.05

Cabô. Chega de comments. Caro leitor, caso tenha alguma observação, recado ou algo do gênero, por favor mande um e-mail. Obrigada e volte sempre.

12.6.05

Impressionante. O nome deles é "legião". Arregaçaram as portas do meu inferno particular. Fuga em massa de demônios, capetas, quadrúpedes, cascudos e exus-tranca-rua que haviam sido relegados ao cantos mais sórdidos do meu cérebro. Lá eles sofriam de diarréia contínua, tomavam surras freqüentes e eram currados por meganegões (SEM KY).

Mas os malditos escaparam!

Fear not. Meu lado sádico, que a princípio foi meio abafado pelo meu estômago um tanto frágil, está em polvorosa. Vem neném. Eu vou a-mar.

10.6.05

Lady O, porque Omarosa Manigault Stallworth tem seu próprio site.

8.6.05

Acabei de colar um adesivo pra parar de fumar no braço. Uma insistência, gentileza e presente do Mario. Ele provavelmente está certo em não acreditar na minha pura força de vontade, que só perdura desde o dia 25 porque cigarros na França são muito mais caros (o que me impediu de pensar na palavra mágica: gauloises) e porque eu vi que é bem melhor e mais limpinho beijar assim.

Não sei se é auto-sugestão. Faz cinco minutos que eu colei essa buçanga bege clara que destoa do PRETO que meu braço está, mas eu estou sentindo uma coisa esquisita no fundo da garganta. E algo se passa na minha cabeça.

Mas deve ser auto-sugestão. Porque antes de colar eu pensava em envenenamento.

Louca.

7.6.05

Continuo a despertar antes das 7 da manhã. Isso já está me irritando. E se pego o hábito pra sempre? Perigoso. Concluí que acordar cedo não rende nada, a não ser o fato de o dia de trabalho parecer infindável, a princípio. Mas na prática não tem valor algum, porque eu consigo produzir o mesmo - ou até menos - com tantas horas disponíveis. É tipo a Half the Calories Diet, dos Fat Fighters: You cut half of the calories and you can have twice as much.

6.6.05

Maldição. Acordei às 6h30. Preguiça, você foi extraviada? Volte logo. We miss you.

5.6.05

Preguiça. Seria a décalage horaire? Estou com medo de acordar amanhã espontaneamente às 7 da manhã e ter um dia todo pela frente. ME-DO.

Então preguiça. Deve ser a depressão pré-segunda, ao som da música do Fantástico. Depois eu conto minha saga bordalesa. No fim eu até comecei a sentir saudades da França. Justo eu, uma bona fide anglophile. Va savoir.