27.8.05

Que ridículo tentar enganar à si mesma. Hahaha. Ontem, sufocada por um bode gigante (mas em relação à raça humana toda, em especial gente de "firma"), resolvi apagar do meu messenger o nome de um ex-de-cu-é-rola, cujo simples nome na minha tela me causava ânsia de vômito.

Rápido e fácil. Assim toda vez que o animal entrar online eu não preciso saber.

Eu achei que não passaria disso, mas fui brindada com um sonho bizarro estrelando o calhordão egocêntrico e acordei com a sensação plena que ele ainda mantém um endereço fixo nos meus intestinos. O sonho foi até engraçado, por um lado. Eu descobri que ele gostava de aliciar criancinhas indonésias e dar o cu pra elas.

Mas ao mesmo tempo, uh. Se eu ultrapassar a marca de uma década com esse cretino ainda me dando dor de barriga e sem uma vingança desenhada e executada (por mim ou pelo destino), eu francamente terei que recorrer a um poderoso laxante. Putaqueopariu.

Bom... também posso dizer que isso tenha sido resultado de uma senhoura drenagem linfática que eu recebi ontem? Será que amores mal-resolvidos (e obssessões e ódios) causam celulite?